All Facilities

Como prevenir a contaminação cruzada na indústria de alimentos

A contaminação cruzada é um dos maiores obstáculos na indústria alimentícia. Quando ocorre, pode colocar em risco a saúde do consumidor, por isso, precisa ser evitada. A limpeza industrial tem um papel importante na prevenção desse tipo de contaminação, assim como seguir com rigor as Boas Práticas de Fabricação em todas as atividades que envolvem o ambiente produtivo e o processamento de alimentos. Confira tudo sobre o assunto a seguir!

O que é contaminação cruzada?

Chamamos de contaminação cruzada a transferência de agentes contaminantes entre alimentos, superfícies ou utensílios. Ela pode ocorrer de diferentes formas:

  • Entre dois ou mais alimentos, quando um produto contaminado tem contato com outro;
  • De um equipamento/utensílio ou superfície contaminados para o alimento. Bastante comum quando uma mesma faca é utilizada para cortar a carne e, depois, os legumes, por exemplo;
  • De pessoas para alimentos.

Quando a contaminação ocorre entre alimentos, ela é chamada de direta. Já quando ela se dá por uma dessas duas outras vias, é considerada indireta. Porém, em ambos os casos, existe o potencial de transmitir doenças para a pessoa que posteriormente vai consumir esse alimento.

De acordo com dados da OMS, cerca de 420 mil pessoas morrem todos os anos, mundialmente, em consequência de intoxicação alimentar. E a contaminação cruzada é uma das responsáveis por essa taxa de mortalidade.

Importância da limpeza industrial para evitar a contaminação cruzada

Na indústria alimentícia, adotar medidas que previnam a contaminação cruzada é essencial para garantir a manutenção dos padrões de qualidade, evitando qualquer tipo de sanção. Para isso, a limpeza industrial é a grande protagonista!

A limpeza industrial é um termo genérico que, na verdade, abrange diferentes atividades:

  • Limpeza: remoção de poeira, resíduos, lixo, restos de produção;
  • Descontaminação: uso de produtos e técnicas específicas para eliminar agentes químicos e biológicos, que são os grandes responsáveis pela contaminação cruzada;
  • Desinfecção: eliminação de micro-organismos com produtos específicos.

A descontaminação, portanto, é uma das fases desse serviço, focada justamente em remover os agentes responsáveis por uma possível contaminação. É fundamental que ela seja realizada por profissionais especializados, que dominem as técnicas para garantir que todos os vetores contaminantes sejam realmente eliminados.

Um ponto interessante é que a descontaminação pode ser realizada em todas as superfícies e utensílios que são envolvidos de alguma forma na manipulação de alimentos. Assim, é possível garantir que os ambientes fiquem devidamente asseados e nas condições necessárias para o manuseio alimentício.

A limpeza realizada no dia a dia nem sempre consegue remover todos os agentes contaminantes. Até porque, não costumam ser feitas com os produtos mais potentes e apropriados para isso. É por isso que se recomenda que as indústrias do segmento tenham uma boa parceria para terceirizar essa limpeza industrial mais “pesada” e efetiva. Ela deverá ser feita periodicamente, em uma frequência a ser definida de acordo com as particularidades da empresa.

Outras medidas para evitar a contaminação cruzada

Além de contar com um serviço de limpeza industrial, que remova os agentes contaminantes de utensílios e superfícies, existem outras estratégias que também precisam ser adotadas a fim de prevenir esse tipo de contaminação.

Treinamento para a equipe

Não há dúvidas de que uma equipe bem treinada torna-se mais apta a realizar suas funções de forma segura, minimizando os riscos de contaminação. Portanto, é essencial que a empresa invista nisso. 

Um treinamento focado em contaminação cruzada deve explicar o que significa isso, como ocorre, quais são os possíveis perigos consequentes dela e o que deve ser feito em cada etapa da manipulação de alimentos para preveni-la. 

O conhecimento é sempre a base de um trabalho bem sucedido!

Definição de padrões rigorosos

A empresa precisa ter padrões bem definidos envolvendo a manipulação de alimentos. Como por exemplo: exigir o uso de máscara, touca e luvas; proibir o uso de relógios, pulseiras e outros acessórios durante essa atividade, entre outros. 

Para definir esses padrões e implementá-los de forma assertiva, algumas etapas são importantes:

  • Mapear como a manipulação de alimentos tem sido feita atualmente e quais são os pontos em que há possibilidade de contaminação;
  • Colocar no papel as mudanças que precisam ser feitas com base nesse mapeamento de forma bastante prática;
  • Criar um manual com os novos padrões para enviar aos colaboradores;
  • Agendar uma conversa para explicar sobre esses novos padrões, porque foram adotados, como colocá-los em prática…
  • Fornecer os equipamentos necessários;
  • Deixar claro quais procedimentos a empresa pode adotar em relação a colaboradores que não cumpram esses parâmetros;
  • Fiscalizar a implementação.

Basicamente, essa sequência de etapas vai ajudar os colaboradores a criarem novos hábitos focados na prevenção da contaminação.

Separar os utensílios

Usar a mesma faca para cortar carne e, depois, legumes, é uma das formas mais comuns de contaminação cruzada. O mesmo vale para as situações em que a tábua de carne é utilizada para apoiar outros tipos de alimentos. 

Os utensílios devem ser separados de acordo com o tipo de alimento. E é importante criar uma forma de classificar visualmente, para que ao olhar para o objeto, o colaborador já saiba qual tipo de produto ele pode manipular por meio dele.

Cuidados com o armazenamento

Imagine a seguinte situação: em uma mesma geladeira é colocado um corte de carne e, na prateleira de baixo, legumes. Porém, essa carne não está totalmente bem embalada e acaba pingando uma minúscula gota de sangue nos legumes. Talvez, o colaborador nem perceba que isso aconteceu, mas pode ser suficiente para contaminar.

Esse simples exemplo ilustra bem a necessidade de redobrar os cuidados com o armazenamento dos alimentos, evitando que eles tenham contato inadequado nessa fase do processo. Nem sempre a contaminação acontece na fase ativa da manipulação, lembre-se disso.

Não manipular alimentos diferentes ao mesmo tempo

Você já percebeu que a contaminação muitas vezes está relacionada ao contato entre alimentos de tipos diferentes. Por isso, uma das dicas é evitar manipulá-los ao mesmo tempo e na mesma bancada. Práticas como essas aumentam as chances de acabar usando o utensílio que foi designado para um produto em outro.

Basicamente, o segredo para que a empresa evite contaminações é adotar hábitos focados nesse objetivo e apostar na melhoria contínua!

Qual a sua dúvida sobre contaminação cruzada? Deixe aqui nos comentários! E acompanhe nossas redes sociais para conferir conteúdos sempre atualizados!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.