All Facilities

Tudo Que Você Precisa Saber Sobre O Processo De Higienização Em Indústrias De Alimentos E Bebidas

Tudo que você precisa saber sobre o processo de higienização em indústrias de alimentos e bebidas

A higienização é um dos procedimentos mais importantes nas indústrias de alimentos e bebidas para garantir a qualidade e segurança do produto final. Saiba mais sobre como ela deve ser feita.

A higienização é um dos processos mais importantes nas indústrias de alimentos e bebidas. Afinal, é por meio dele que se consegue preservar a pureza do produto, livrando-o de possíveis agentes contaminantes, como micro-organismos e substâncias orgânicas ou minerais. O termo higienização engloba diferentes conceitos que precisam ser implementados seguindo métodos que garantam a sua eficiência. Saiba mais sobre esse assunto a seguir!

O que significa higienização no conceito industrial?

A higienização envolve os processos realizados na indústria para garantir um ambiente livre de contaminações. Por consequência, o produto fabricado ou processado nessas instalações (no caso em questão, alimentos ou bebidas) vão se tornar mais seguros para o consumidor final. Importante ressaltar que existem diferentes atividades específicas que são realizadas com essa finalidade:

  • Limpeza

Embora essa palavra seja utilizada no senso comum para designar qualquer processo de higienização, a limpeza é o processo que remove sujidades presentes nas superfícies, normalmente visíveis a olho nu, como por exemplo, partículas de terra, poeira ou gorduras. Assim, a limpeza por si só, embora seja uma etapa essencial, não é suficiente para eliminar agentes como vírus ou bactérias. Estima-se que quando ela é executada corretamente em todas as suas etapas, possibilita reduzir cerca de 60% dos elementos microbiológicos. 

  • Desinfecção

Já a desinfecção, por outro lado, tem como foco eliminar justamente os micro-organismos patológicos, ou seja, que seriam capazes de transmitir alguma doença para o consumidor. Para essa atividade, é necessário utilizar produtos específicos que atuem quimicamente contra vírus, bactérias e germes. Uma boa desinfecção elimina mais de 99% deles!

  • Sanitização

A sanitização é um processo bastante comum em indústrias especificamente do setor alimentício, cujo objetivo é a diminuição da concentração de micro-organismos aderidos nas superfícies, como por exemplo, em maquinários e utensílios utilizados na manipulação. O objetivo é que esses componentes se reduzam até que fiquem dentro dos  níveis toleráveis para que não haja risco de contaminação do alimento ou da bebida.

  • Higienização

A higienização enquanto procedimento envolve obrigatoriamente a junção de outras duas atividades. Pode ser a limpeza seguida pela desinfecção ou a limpeza seguida pela sanitização. Basicamente, higienizar um ambiente industrial pressupõe que as sujidades mais grosseiras e aparentes foram removidas e, depois disso, os micro-organismos também foram eliminados por meio de agentes químicos ou físicos.

Como garantir que os processos de higienização sejam eficazes?

Mais importante do que compreender os conceitos é garantir que as atividades que visam à higienização das instalações industriais sejam realizadas de forma eficaz para que realmente evitem quaisquer contaminações. Para isso, é preciso observar as etapas a seguir.

Identificar os tipos de sujidades mais comuns

O primeiro passo é observar quais tipos de substâncias ou micro-organismos essa higienização precisa combater. Isso vai determinar qual é o produto ideal a ser utilizado e até mesmo qual processo deve ser adotado, se a desinfecção ou sanitização após a limpeza. Entre os tipos de sujidades mais comuns em indústrias de alimentos e bebidas, pode-se destacar:

  • Resíduos orgânicos, como por exemplo as gorduras, que precisam ser dissolvidos na etapa da limpeza;
  • Compostos minerais, como resíduos de cálcio e magnésio;
  • Resíduos metálicos, como a ferrugem;
  • Resíduos alcalinos que podem ficar depositados nas superfícies quando se utiliza na limpeza um detergente do tipo alcalino que não é devidamente removido;
  • Resíduos de petróleo, como óleos lubrificantes que costumam ser utilizados no maquinário.

Além do tipo de sujidade, também será necessário avaliar o quão ela está aderida àquela superfície, porque essa é uma variável que determina a escolha do produto e da ação mecânica que deverá ser empregada na sua remoção. 

Escolher o método de limpeza mais adequado

Você já percebeu que em alguns casos se utiliza a desinfecção e, em outros, a sanitização. Mas o que sempre se repete em qualquer processo de higienização é a limpeza, porque é ela que vai remover as partículas contaminantes mais “grosseiras” para que depois se possa avançar para os elementos invisíveis a olho nu. 

  • Limpeza manual: 

Esse é o método mais elementar de limpeza, especialmente quando é feito por imersão e escovas. Nesse caso, o primeiro passo é fazer uma “pré-lavagem” daquela superfície ou utensílio em água corrente para remover as partículas sólidas que não estejam aderidas. Depois disso, utiliza-se uma escova ou esponja para aplicar um detergente que será escolhido de acordo com as características da superfície e das sujidades identificadas para que sua ação seja eficiente. Para finalizar, o enxágue é feito em água corrente e apropriada para essa finalidade.

  • Limpeza mecânica

Nesse segundo método, a limpeza é feita com o auxílio de pressurizadores, ou seja, jatos que direcionam a água com alta pressão. Isso garante um efeito mecânico mais potente, portanto, é melhor do que a limpeza manual em superfícies e utensílios nas quais as sujidades estão com maior aderência. 

Para a limpeza mecânica, o primeiro passo continua sendo a pré-lavagem em água para que os primeiros resíduos sejam removidos e depois a aplicação do produto por meio do equipamento de pressão apropriado. Outra vantagem é que a solução que será usada na limpeza não vai entrar em contato direto com o profissional responsável. Por consequência, também podem ser usados produtos mais fortes. Além disso, a temperatura da água ou da própria solução também poderá ser mais elevada sem o risco de provocar queimaduras.

Lembrando que o uso de EPIs adequados é essencial na prática desse método.

  • Limpeza a seco

Alternativa empregada quando não se pode usar água no processo de higienização. É bastante comum em indústrias de alimentos e bebidas porque em muitos ambientes o processamento deve acontecer a seco ou com baixa umidade, assim, uma limpeza convencional, com uso de água, pode comprometer as operações.

No método de limpeza a seco, é necessário desmontar o utensílio que será higienizado para eliminar as sujidades com escovas e, posteriormente, aspiradores. Esse tipo de limpeza pode ser feito também em pavimentos, paredes e instalações, além dos recipientes. São utilizados equipamentos adequados para eliminar qualquer resíduo. 

  • Limpeza sem desmontagem

Ao contrário do método anterior, esse é indicado quando o equipamento a ser higienizado não  deve ser desmontado. A solução de limpeza e a água vão circular no interior do compartimento fechado. Primeiro, é preciso injetar jatos de água que vão remover as partículas sólidas e, só depois disso, aplicar a solução de produto químico adequada. Esse produto, deverá permanecer no interior do equipamento pelo tempo correto e, depois de retirado, precisa ser introduzida água corrente para garantir o enxágue completo. 

O método correto para a higienização industrial sempre vai depender da individualidade de cada empresa. Dos produtos com os quais ela trabalha, das etapas de processamento, do tamanho das instalações e outras particularidades. Por isso, a melhor alternativa é buscar uma empresa especializada na prestação desse serviço para analisar o cenário e, assim, propor a solução mais eficiente!

Entre em contato com os nossos especialistas e saiba mais sobre a terceirização desse serviço!

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *